O Verão 2014 de Patrícia Bonaldi

Aconteceu ontem, no Iate Club de Santos, em Higienópolis-São Paulo o trunk show que marcou o lançamento da coleção verão 2014 da estilista – que eu amo de paixão – Patrícia Bonaldi. Com presença de famosas e muitas blogueiras, o evento aconteceu no meio da tarde e foi uma espécie de chá entre amigas, repleto de glamour, gente bonita e vestidos ainda mais.

Com uma coleção toda inspirada no universo do balé, a cartela de cores variava do nude, rosas chá e bebê, dourado ao azul petróleo e preto. Como já marca registrada da estilista, a coleção vem com muita renda, bordados, inspiração barroca e brilho, a grande novidade é um tecido especial, inédito nas peças da estilista, com aspecto feito a mão, o tecido é cortado a laser e trabalhado em delicadas fitas de veludo. (clique nas fotos para ampliar)

Além dos vestidos, Patrícia Bonaldi, lança também seis modelos de sapatos, remontando no universo clássico do balé, trabalhados em toda delicadeza, com amarrações de fitas e pérolas.sapatos-schutzA estilista, apostou num vestido off-white, com decote profundo, num tecido mais estruturado e zero bordados, contrastando com sua marca registrada nas criações para a grife. Destaque para a presença e o look – também Patrícia Bonaldi – da diva Mariana Rios. patricia-horzAs fotos do desfile são do instagram, assim que fotos oficiais saírem, eu faço update do post. Mas já deu pra amar completamente! 🙂

Tendências de hoje, que as vovós usavam…


large
Como pensar no que é vintage, sem lembrar-se logo de cara, das clássicas e charmosas pérolas? Lembro que há uns 4/5 anos, torcia o nariz quando ia para alguma festa e minha avó vinha com seus acessórios, de mil novecentos e bolinhas, todos em pérolas, e não eram de plástico como as de hoje não, mesmo com décadas, elas mantinham um brilho único, mas confesso que na época, eu odiava!

As coisas mudam e hoje, elas tornaram-se um dos meus acessórios favoritos! O toque de romantismo, o classicismo e a delicadeza são o que mais me encantam. Elas são capazes de deixar qualquer peça mais bonita quando aplicadas, desde o jeans aos cardigans de malha.

Certa estava minha avó, quando dizia que um dia eu herdaria o gosto dela pelas delicadas e charmosas pérolas.

cinturaSeja através de faixas, laços, ou cortes de calças mais altas, a cintura marcada é certamente uma das marcas da juventude de nossas avós. Quem nunca assistiu uma novela de época e viu as mulheres sofrendo para apertar espartilhos sobre os vestidos e deixar a cintura ultra fina?

Mais atualmente, mas ainda na época que nossas mães ainda não existiam, os cortes em alfaiataria com cintura alta, fizeram a cabeça das nossas avós, não é a toa, que eu encontrei uma dessas calças no guarda-roupa de roupas antigas da minha avó, e pasmem, ela tinha o corpo exatamente igual ao meu! Sem nenhum ajuste, a calça tornou-se uma das peças queridinhas, agora, do meu guarda-roupa!

rendaQuando eu era criança – o que segundo meus amigos não faz muito tempo – minha mãe e minha avó insistiam em me vestir cheia de “frufrus”, rendas e tules eram as coisas que eu mais odiava, dizia que pinicava! Kkkk

O tempo passa e ontem mesmo eu postei os vestidos da Lethicia Bronstein, todos em renda! Minha avó sempre pirou nas rendas, sempre achou chic, e sempre que ela revirava o guarda-roupa de roupas antigas, surgia com algum conjunto, vestido, camisa com aplicação, e eu achava horrível! Até minha formatura de oitava série, há mais de cinco anos, quando meu vestido foi todo aplicado em renda guipir bordada, e eu amei!

Hoje, acho lindo, maravilhoso e chic, como minha avó. E não restam dúvidas sobre a tendência, que tem se mantido há várias temporadas.

estampasDe lenço, poá, listras, floral. Que as listras fizeram a cabeça das mulheres nos últimos meses, não resta dúvidas. É só sair na esquina que você vai ver algumas usando calça, legging, blusa e até bolsa listrada em preto e branco.

O floral é também uma das estampas mais queridinhas há algumas temporadas. Delicado ou mais exagerado, em cores claras ou em cores chamativas, se fez presente da cabeça aos pés, literalmente.

Mas engana-se quem acha o gosto pelas estampas é atual, basta olhar pra década de 60, 70, lembrar-se do movimento hippie, pra ver que as estampas são mais velhas do que pensamos.

Do guarda-roupa da minha avó, duas camisas, uma com estampa de lenço e outra floral – com detalhes em babadinhos, vieram parar no meu!

 

Você já revirou o guarda-roupa da sua avó em busca de novas peças? Lá pode estar um tesouro escondido: peças chaves, jóias raras. Vale a pena tirar um dia e vasculhar! Depois, não esqueçam de me contar seus achados!

Renda-se aos poucos

A renda pode transmitir uma imagem tanto romântica, quanto sensual, vai depender muito de como usá-la. Além disso, é preciso ficar atenta, pois há uma linha ténue entre a sensualidade e a vulgaridade. Mas a renda, quando usada corretamente, é mega chic.

A renda está com tudo nesse verão, para quem acha que é coisa “de senhora”, veja alguns espetáculos que estão sendo apresentados. Fotografei a revista “Vogue” desse mês para vocês verem o uso chic da renda.


Bem, como eu ainda sou cautelosa quanto ao uso da renda, para não parecer-me com uma toalha de mesa… Optei por “render-me” aos poucos, comecei com pequenos detalhes, vou mostrar um “achadinho” na C&A, por apenas R$ 19,90. Claro que por esse preço eu “me rendi”

Gostaram? Se você ainda está na dúvida quanto ao uso dessa peça tão “auto- suficiente” (na minha opinião), fica aqui a dica “renda- se aos poucos”.

Bjs e Qjos


Curiosidades sobre a renda:

Acredita-se que a renda surgiu em fins da Idade Média, mas foi no Século 17, por volta de 1620, que ela teve o seu apogeu na  França, na Itália e na Espanha. Porém, segundo Fernando Dannemann “a partir do final do século 19, início do século 20, a renda foi perdendo a sua popularidade, passou a ser usada muito raramente, ficando associada apenas à produção de lingerie. Mas apesar disso a moda feminina nunca a deixou de lado completamente, uma vez que ela sempre aparece nos vestidos de noivas, nos das debutantes, e principalmente na chamada alta costura francesa, que não dispensa o uso de uma bela renda.”